O Efeito Pigmalião em devs

O Efeito Pigmalião em devs

Quando O Eu e o Id (Das Ich und das Es) foi publicado em 1923, gerou-se uma revolução teórica como poucas. Freud propôs um modelo de aparelho psíquico com uma estrutura muito particular: O Id, o Ego e o Superego, também conhecidos como Inconsciente, Consciente e Pré-consciente.

Embora esse modelo tenha sido criticado, é inegável que chegou até nossos dias, mesmo que seja na forma de folclore cultural. Talvez o definamos (fazendo a ponte com a teoria de Freud) aplicando seus princípios à interação entre o que queremos fazer, os sistemas socioculturais impostos pelo contexto em que estamos imersos e a pessoa ideal com quem convivemos internamente em nosso mentes.

Essa situação conflituosa que vive em nossa mente faz parte de nosso cotidiano, estejamos conscientes disso ou não, e é justamente o aspecto inconsciente de nosso trabalho psíquico que devemos zelar. Por isso, é necessário trabalhar as ideias, pensamentos e conceitos de que temos conhecimento, saber como são afetados pelas influências externas e internas pode nos permitir ser pessoas mais eficientes, felizes e saudáveis.



Autopercepção e Autoconceito

É importante esclarecer as diferenças entre esses conceitos. A autopercepção refere-se ao conhecimento e ao reconhecimento que se faz conscientemente sobre os próprios estados mentais por meio da análise de nossas atitudes. Dedicar tempo à reflexão interna e à análise racional do que fazemos será extremamente útil para tomar decisões acertadas na interação com outras pessoas em qualquer tipo de área e até para saber me motivar e me organizar para realizar tarefas que podem não gerar muito para mim.interesse.

O autoconceito refere-se à imagem formada que temos de nós próprios a um nível mais profundo do que apenas as características estéticas, físicas e externas. Está relacionado com os valores, ideais, princípios e ideias que compõem a psique de uma pessoa. Procurar desvendar cada um dos pensamentos e suas razões pode se tornar uma tarefa impossível, mas é importante dedicar alguns momentos para nos reconhecermos e sabermos justificar o porquê de determinados processos cognitivos.




E como isso afeta meu trabalho como dev?

Nada do que fazemos diariamente vive isolado dos outros processos cognitivos que nos tornam quem somos. Meu trabalho, a forma como realizo as tarefas, o tempo que dedico a ele, o espírito com que o realizo ou a forma como me relaciono com meus chefes ou colegas são totalmente permeados por minha autopercepção e autoavaliação. conceito.

A mente humana não é um conjunto isolado de sistemas que não estão ligados entre si, muito pelo contrário. A seguir, desenvolverei alguns conceitos que, se manuseados, não resolverão todos os inconvenientes que podem surgir em situações de insegurança ou sensação de fracasso, mas permitirão que sejam reduzidos ao mínimo e controlados ao máximo, se necessário.

O Efeito Pigmalião

O mito conta que o rei de Chipre, Pigmalião, queria se casar, mas não conseguia uma mulher perfeita o suficiente para suas exigências, então ele começou a esculpir várias estátuas até que uma atingisse seus padrões de perfeição e beleza e ele se apaixonou por ela. isto. Então a deusa Afrodite concedeu seu desejo de que esta estátua se transformasse em um humano.

Esse mito tem sido utilizado na Psicologia e, principalmente, no campo educacional para falar sobre a influência potencial que a crença de uma pessoa tem sobre o que outra pessoa é. Essa teoria tem suas derivações como as profecias de autorrealização em que o sujeito atende às expectativas que lhe eram feitas, mas não por acaso ou casualidade, mas justamente por conhecer as próprias expectativas e buscar sua realização.

O Efeito Pigmalião pode ser usado como uma ferramenta muito positiva para gerar mudanças em grupos de trabalho ou até mesmo para melhorar a autopercepção de alguém. No entanto, seus efeitos negativos também são reais e devemos estar atentos a eles.

Ultimamente, o mundo do desenvolvimento de software experimentou um crescimento tremendo, não apenas das empresas de desenvolvimento, mas também do número de pessoas que desejam ingressar neste mundo que promete tanta variedade de empregos, boa renda e melhores estilos de vida. Algumas pessoas com fins puramente lucrativos se encarregaram de espalhar a ideia de que aprender a programar é extremamente fácil, é um produto enlatado que basta abrir e consumir, que não requer nenhum tipo de esforço ou sacrifício.

O problema com essas propagandas enganosas é que quando uma pessoa que está convencida de que será um processo rápido e fácil "do zero ao especialista" percebe que não é tão fácil quanto o esperado, ela experimenta pensamentos negativos, frustração e o sentimento de inadequação e fracasso. Isso modifica nossa autoconcepção com frases como "não é para mim", "não tenho capacidade suficiente", "é tarde demais", etc.

A repetição destas frases produz em nós um Efeito Pigmalião e a sua persistência conduz precisamente a uma profecia auto-realizável; Finalmente desisto de perseguir um sonho ou objetivo e me convenço de que estava certo sobre minhas percepções.

Agora, é verdade que muitas vezes podemos ter avaliações realistas de nossa pessoa. No meu caso, eu não estaria exercendo um Efeito Pigmalião sobre mim mesmo se considerasse que não seria um bom astronauta ou um jogador de futebol profissional do calibre de Lionel Messi.

Esse autoconceito está correto. O mesmo pode acontecer ao avaliar novos desafios, iniciar um curso universitário, um novo emprego, etc. Mas devemos distinguir análises realistas e racionais daquelas simplesmente derivadas de um conceito inicial ruim, autoengano, ideia equivocada, medo de sair da zona de conforto ou recusa em se esforçar para atingir um objetivo.

Conclusões

O que pensamos de nós mesmos é altamente relevante e pode afetar positiva ou negativamente nosso desempenho profissional, bem como interações diárias ou tarefas banais. Para corrigir esses inconvenientes, podemos aplicar os seguintes exercícios:

1) "Olhar a foto de longe": avaliar uma situação que pode nos representar um desafio tentando isolá-la de nosso contexto pessoal, como se afetasse a nós ou a outra pessoa.

2) Avalie as habilidades: faça uma lista o mais objetiva possível de quais habilidades são necessárias para resolver o problema.

3) Perguntas honestas: pergunte-me se tenho as habilidades necessárias para resolver o problema. No caso do desenvolvimento de software, algumas perguntas podem ser: eu conheço a linguagem a ser utilizada? Posso investigar o que não sei? Posso aprender o que não sei ou está fora do meu alcance? em situações semelhantes antes? Consegui resolver problemas que estavam além de mim no início?

4) Recalcular: assim como um GPS corrige sua trajetória ao detectar que há uma variação no trajeto, uma vez feita a avaliação consigo ser mais realista com meu autoconceito e autopercepção e, se necessário, levar aquela situação disruptiva para crescer, modificar comportamentos ou aprender novos conhecimentos.

💡
As opiniões e comentários expressos neste artigo são de propriedade exclusiva de seu autor e não representam necessariamente o ponto de vista da Revelo.

A Revelo Content Network acolhe todas as raças, etnias, nacionalidades, credos, gêneros, orientações, pontos de vista e ideologias, desde que promovam diversidade, equidade, inclusão e crescimento na carreira dos profissionais de tecnologia.